quarta-feira, 30 de junho de 2010

Perdendo o controle

Salve!

Tenho recebido diversos emails cobrando minha sumida do blog...


Ainda que eu não tenha sumido, verdade que eu realmente dei uma alíviada na postagens dos textos.

...e por diversos motivos.

Quem me conhece, ou acompanha o blog, sabe que sou muito ligado nessa questão. Manter o controle é deveras importante pra mim.

Mas fora questões pontuais, eu acho que estou perdendo o controle!

Só que o diferencial é que não é o controle sexual que tem feito estrago, mas sim minhas escolhas. No psicológico tenho andado meio devagar.

E ciente do fato, diminui radicalmente minhas saídas pra evitar fazer merda. O que também diminui a quantidade de novos textos.

Pra vocês terem uma idéia, estou sem nenhum contato sexual desde a minha saída com a Portuguesa (que na verdade aconteceu vários dias antes da postagem. Já tem mais de 15dias!

Algo raro. E pra mim, difícil de suportar.

Dos emails, alguns respondi pontualmente. Aos demais, fica a justificativa.

Mas no próximo FDS estou na área.

terça-feira, 29 de junho de 2010

Depois do jogo...

Ois

Em época de copa do mundo, pelo menos um textinho ao molho de futebol.


Jogo do Brasil com vitória é sempre mt bom.

No 2º jogo assisti c/ um grupo de amigos no bar. Na hora de ir embora, um cidadão bebaço fechou meu carro e eu pacientemente esperando ele tirar o carro.

Quando consegui sair, acelerei e fui embora com tudo. E o cara veio atrás. Quase fizemos um pega no pistão e na EPTG desisti de correr, bem como o Milton também.

Parei num quiosque no Guará e p/ minha surpresa o k chegou logo a seguir e veio falar comigo veloz como o vento. Elogiou um pouquinho e ficamos conversando.

Comentei que ele já tava alto e ele falou p/ ir até a casa dele por segurança. Falei q tudo bem, eu iria. Boa ação do dia. Quando cheguei lá ele falou p/ subirmos e p/ minha surpresa no elevador ele ficou esperto que só.

Os beijos do cara estavam muito bons! Ae q eu percebi q ele ñ estava bebado... Assim q ele abriu a porta já caímos p/ sofá. Me aplicou uma bela de uma chupada. E falou q tínhamos comemorar a vitória do Brasil.

Depois foi a minha vez de chupá-lo. Enquanto isso ele deslizava a mão pela minha bunda.

Tirei uma camisinha da bolsa e ali mesmo no sofá fui pra cima dele só com a blusinha amarela da seleção.

Ficamos um tempinho nesse ritmo e depois fomos para o quarto dele. Na verdade, pra sacada do quarto dele.

Foi inusitado; mas tava frio e eu fiquei devendo umazinha melhor na sacada.

Ainda bem que ele me puxou pra cama e voltou a me dar um trato caprichado. E logo a seguir ele me pegou de quatro e mandou ver com vontade. Meteu com jeito por um bom tempo e gozou. Estava ótimo apesar de eu não ter chegado lá. Deitei em seu peito querendo mais, mas logo ele dormiu. Misto de cansaço com birita? Sei lá.

Enquanto ele dormia, tomei um banho e fui saindo de mansinho. Só que ele acordou e ao nos despedirmos ele perguntou, se, pra não correr riscos, eu poderia ser a amiga da vez e assistirmos juntos os próximos jogos e para levá-lo em casa depois!

É claro que aceitei na hora. E vamos ver o que acontecerá nos próximos jogos!

PS: Foi mal a demora na postagem... A copa tá em alta e a putaria tem ficado em 2º plano.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Finalmente ela ligou o foda-se.

Ora pois, ô pá!


Finalmente dei uns pegas na Portuguesa!

Essa me enrolou muito. E como numa boa pescaria o peixe que briga mais ao ser fisgado é o que rende mais emoção. O prazer da conquista é, talvez, a melhor recompensa.

Dia desses a dona teve uma briguinha com o marido. O cidadão a deixou sozinha, dando mole num barzinho... Ela me liga e pede colo... O que eu podia fazer? Fui lá ver como estava a situação.

Chego lá e ela estava com a babá (a pior empata-foda que já vi). Fiquei meio puto por ter dado mole comigo mesmo. Imaginei que daria bons pegas já no início da madrugada. Só que a Portuguesa trapeceou não me falando que estaria acompanhada. E logo de quem?!

Sua caipiroska quase intocada aliada a uma expressão mista de raiva e chateação me convidavam pra uma investida. Eu tinha que me livrar do encosto. Mas não precisei fazer muito pois fui ajudado indiretamente. A megera estava com cólicas - eessas horas, quanto mais desgraça pra essas vadiazinhas que só servem pra empatar, melhor!

Deixei a empregadinha em casa e voltei pro mesmo barzinho. Só que no caminho de volta ela veio desabafando sobre a situação com o marido. Até me senti mal de tentar algo mais sacana. Huummm, na verdade, nem tanto assim.

Numa dessas pausas dramáticas de nossa conversa perguntei se ela queria ir pra minha casa ou prum motel. E ela, puta com o "maridinho", respondeu que eu podia ir pra onde eu quisesse.

Continuei provocando. Você quer curtir ou só se vingar? Para mim não faria a diferença a resposta. Nisso, parei o carro na frente de um motel em Taguatinga. E sua resposta foi direta: - "Quero os dois".

Se é pra se vingar, vamos chutar logo o baldo. Se quer mesmo, eu quero ouvir um "Foda-se". Ela não pensou 2 vezes...

Então troquei o conforto do motel e fui pro heliporto do Anchieta. Local pouco conhecido e, pelo horário, com quase nenhum movimento. Local que não posso recomentar, sobretudo aos iniciantes.

Parei o carro e fomos para o banco de trás. Ela não estava tão nervosa quanto eu supus que ela estivesse. A raiva e a meia caipiroska deviam estar ajudando.

Começamos a nos beijar, a tocar cada um o corpo do outro e curtimos alguns minutos até que eu tomei a frente. Fui tirando sua roupa e beijando o que se despia.

Cuidei de seus seios com cuidado. O frio não ajudava mesmo no carro fechado. Lambia e chupava enquanto minhas mãos inclinavam seu corpo para que ela se deitasse.

Tirei seu jeans, puxei seu corpo para mais no centro do banco e fui chupar sua buceta cheirosa e bem cuidada. Aproveitei bastante, me demorando por bons minutos sem nenhuma pressa o que a nossa primeira saída pedia. Ficaria chupando, lambendo e mordiscando a noite toda se ela quisesse.

Só parei quando ela pediu o meu pau. Aliás, ela falou algo do tipo: "...me deixa sentir seu pênis..." Coisa que reclamei na hora. Porra. Fala pau, cacete ou caralho. Não era hora de ficar se contendo ou dar uma de certinha. A transa anunciada não admitia tal preciosismo.

Ela me chupou meio sem graça e por muito pouco tempo - realmente terei que trabalhar isso nela - mas meio que ignorei o detalhe.

Finalmente, tava na hora. Até que enfim ia realmente pegar a enrolada, que tanto adiou ou furou nossas saídas. Vesti a camisinha e fui pra batalha.

Mesmo ela estando bem lubrificada pelo tesão e minha chupada, ainda assim, meti devagar. Fui por cima dela mas ficando meio ajoelhado. Fui paciente e não acelerei a trepada ainda.

A dona estava delirando rápido demais e sem nada de extraordinário. sei que pra ela, muito era novidade (?) e qualquer coisa que fosse diferente ou pouquinho melhor que a foda obrigatória que ela tinha devia ser o máximo. Qeu desperdício.

Muito um pouco de posição umas 2 ou 3 vezes, mais pra ajustar a distância ou diminuir o desconforto até que eu a puxei pra que ela se sentasse em meu colo. Por ela ser baixinha estranhei a forma que ela ficou, com as pernas mais juntas a mim, como que ajoelhada.

Sua resistência também não está em dia e logo passou a mostrar sinais de cansaço, algo que ela logo reclamou. Como estaava cedo pra eu parar, abri a porta do carro e comigo do lado de fora passei a meter nela por trás com ela inclinada a frente no banco.

Agora sim, mandei bala com mais força e velocidade. Fui bombando com jeito e nem notava o frio que a madrugada fazia.

Numa hora lá, coloquei meu dedo em sua boca pra ela chupar. Com meu dedo molhado fui em direção ao seu cuzinho. Ela fez doce mas quem é que tava mandando nessa porra? Segurei firme seus braços cruzando atrás de suas costas e coloquei a metade do dedo em seu rabinho depois de um tempinho de contato de alisadas. E ela nem reclamou tanto assim...

Nossa boa foda foi interrompida. Ela estava bem preocupada com o horário (e com mais coisas, como o local e as circunstâncias também) e me pediu pra parar.

Tudo bem. Nossa saída foi positiva em muitos aspectos e mesmo achando que a próxima deve demorar mais do que uns dias. Ela tem alguns detalhes a acertar, mas tem potencial - o que é importante. A Portuguesa pode se tornar uma boa parceira se for este o interesse dela.

Nisso, nos recompomos e voltamos ao barzinho e fomos esperar pelo corninho. Que só chegou beirando às 4h da matina.

Ah se eu soubesse que o FDP iria demorar tanto assim.

PS: Foi mal... Sei que demorei, mas sabem como é?... Tô com muito trabalho, alguns compromissos, choppinhos e ainda tem copa do mundo!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Fidelidade é tudo

Esse aqui é pra comemorar.


Em homenagem ao motivo da minha 1ª saída com a Portuguesa que vou publicar em muuuito breve, fica o vídeo - sempre atual - sobre a INfidelidade.

Corninhos, cuidado! Há sempre um Ricardão por perto disponível para quaisquer emergências.

Sempre!!

PS: O texto que citei sai até terça que vem. Sem falta!

sábado, 12 de junho de 2010

Feliz dia dos namorados

Ois! Curtam!

Satânico é meu pensamento a teu respeito, e ardente é o meu desejo de apertar-te em minha mão, numa sede de vingança incontestável pelo que me fizeste ontem.

A noite era quente e calma, e eu estava em minha cama, quando, sorrateiramente, te aproximaste.

Encostaste o teu corpo sem roupa no meu corpo nu, sem o mínimo pudor! Percebendo minha aparente indiferença, aconchegaste-te a mim e mordeste-me sem escrúpulos.

Até nos mais íntimos lugares. Eu adormeci.

Hoje quando acordei, procurei-te numa ânsia ardente, mas em vão.

Deixaste em meu corpo e no lençol provas irrefutáveis do que entre nós ocorreu durante a noite.

Esta noite recolho-me mais cedo, para na mesma cama, te esperar.

Quando chegares, quero te agarrar com avidez e força. Quero te apertar com todas as forças de minhas mãos.

Só descansarei quando vir sair o sangue quente do seu corpo.

Só assim, livrar-me-ei de ti, pernilongo Filho da Puta!!!!
(Carlos Drummond de Andrade)

PS: Hehehe. Sei que não era bem isso que vcs esperavam, não é mesmo? Enfim, um feliz dia dos namorados a todos!

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Quem cedo madruga... fica puto!

Opa! Essa é rapidinha.

A Kátia apareceu ontem do nada (outra ex voltando do além?) e veio com um papinho... Resultado, dormiu aqui.

E agora pela manhã me pediu uma "injeção de ânimo". PQP! Às 7h da matina!! Ai, ai, ai... Lá vou eu trabalhar cedo.

Foda genérica sem nenhuma variação digna de nota. Meio que Pá-pum!

Resumo da ópera? Acordei hiper cedo. Trepada sem graça. Ainda tive que deixar a dona do metrô para ela não atrasar. VTNC!

PS: Tão genérico que nem imagem o texto merece.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Olha quem apareceu

Nessa semana 3 donas entraram em contato.


Legal porque não foi só papinho furado.

A Graça me ligou na quarta no final da tarde. Sua ligação foi muito interessante e eu cheguei a me animar. Pré marcamos um chopinho pro final de semana, mas eu acabei desmarcando.

Aliás, eu sempre tenho que cuidar pra não tirá-la do saco; o que é bem difícil porque ela trepa bem e me agrada sexualmente. Foda são os outros detalhes...

A Cap. Nascimento foi outra que me ligou. Inesperadamente ela entrou em contato na sexta, meio que do nada. Queria perguntar sobre uma festa que acontece perto de casa. Eu não tinha muitas informações - até porque é um pagode, que não curto muito - e mesmo assim conversa rendeu. Papo agradável sem excessos nem reclamações dela.

Apesar de não dar em nada, imagino que ela tenha segundas intensões. Disse que está namorando... Hum. Sei. Veremos nos próximos dias se sua ligação foi realmente algo casual ou não.

E por último, mas não menos importante, a Carioca finalmente apareceu online, pelo MSN.

Por sorte eu estava no messenger e mal ela entrou eu já mandei um monte de ois. Foi muito bom ter falado com ela novamente, pois eu estava mesmo com saudades dela.

Ela está bem e já conseguiu despachar um antigo casinho. Mulher bem resolvida é sempre uma coisa boa. Infelizmente pra mim, ela disse que o atual peguete está com status de Marido. PQP! Acho que estou muito azarado ultimamente.

Apesar de tudo, fiquei muito feliz por ela estar bem, tanto com o tal MMarido quanto com ela própria. Aliás, ela estava linda demais e de bom-humor.

Enfim, esses contatos, mesmo sendo pouco proveitosos sexualmente, me animaram para essa semana.

Vou agilizar contatos pra ter alguma ação.

sábado, 5 de junho de 2010

Chofer de puta

Olá pessoal;

Enfim uma parada diferente. Principalmente porque rolou de forma natural.


Pausa pra me desculpar como todos que acompanham o blog. Tenho andado sumido de propósito. Estou em slow motion por estar eliminando diminuindo as parceiras que pouco tem a acrescentar.

Vamos lá.

Dias desses (acho que na terça ou quarta da semana passada) fui prum bom happy-hour. Estávamos em 4 pessoas, 2 caras e 2 donas. Eu conhecia todos e infelizmente eu não estava muito pruns pegas pois as donas eram bem interessantes. Choppinhos, petiscos e um excelente papo entre nós - que rapidamente foi pra putaria. Porque será?

Enfim, uma das donas foi embora um pouco mais cedo, justo a que eu dando em cima. De boa, nem todo dia é dia do caçador. E não muito tempo também começamos a pensar em fechar a conta e vazar, só a que dona que ficou deu indícios de que ela queria algo mais para aquela noite de meio de semana.

Só que de nós 4, todos estávamos de carro, exceto o outro cara - que é apenas um conhecido sem grande importância. Conhecido de botequim. E o cara estar sem carro atrapalhou os planos da dona que ficou.

De fato, achei frescura dela não usar o próprio carro. Porra! Quer trepar sem ser no carro, vá prum motel. Preferências a parte, fechamos a conta e fomos em direção ao estacionamento para nos despedir.

Só que a tal dona fez um convite diferente. Ela sugeriu darmos uma uma volta em apenas um dos carros. Até cheguei a pensar que iríamos parar no parque da cidade para uma foda a 3, ao ar livre.

Mas confeso que a idéia na hora não me interessou. Talvez por eu estar, no dia, de mal humor. Sei lá... Acho que eu já estava mesmo querendo ir para casa.

Contudo, para não deixar a idéia morrer, disse para irmos no meu. Na verdade, meu carro é maior do que o dela e se algo rolasse o espaço poderia ser útil.

Entramos no meu carro e falei que os 2 poderiam ir no banco de trás. Os olhos dela brilharam e o cidadão igualmente gostou da idéia. Quem não gostaria?

Perguntei pra onde iríamos entretanto isso era o que menos importava. Um "qualquer lugar" confirmou as más intenções e passei a andar sem destino.

Os pombinhos não perderam tempo e começaram a se atracar. Beijos, lambidas e gemidos foram aparecendo. Eu olhei pelo retrovisor apenas uma vez ou outra. Bem, talvez um pouco mais do que isso. ;)

Em minha última olhada a dona me viu e olhou dentro dos meus olhos. Ela sorriu, veio na minha direção e disse: Não nos olhe, viu? Hehehe, mas com a nítida intensão do contrário.

Com o sinal absurdamente favorável virei o retrovisor direto pra ação deles. Pouca ação na verdade. Achei que estava faltando um empurrãozinho pra rolar algo mais direto. Então peguei uma camisinha que sempre tenho no quebra sol, e ofereci pra ela - que a aceitou de pronto e ainda perguntou pro outro: "que tal?". Claro que naquela altura nenhuma resposta era necessária.

Ela tirou o pau dele pra fora e brincou um pouco com o cara que já estava excitado. Massa mesmo foi ela apertar o pau do cara olhando pra mim. Pouco depois, abriu o preservativo e o deixou pronto pra foda.

A dona chupava o cidadão, enquanto eu passeava pelo Eixo Monumental já próximo do Memorial JK sem ninguém nem um pouco interessado no city tour local. O boquete ia bem mas o cara já arfava, o que não é exatamente um bom sinal.

Imagino que a dona notou isso porque logo a seguir se livrou de sua roupa e subiu em cima do espantalho. Digo isso pois só a dona trabalhava. Cara sem iniciativa é uma merda. Aliás, homem ou mulher sem iniciativa é uma um saco.

O que se premeditou antes obviamente aconteceu. Ela subiu em cima dele e em breves minutos o cara se acabou. Caralho. Ele deveria esta dirigindo e eu fudendo a dona, mas enfim... Deixa ele se divertir!

Depois de uns 10km, os cerca de 15 minutos em um mini passeio resultaram em uma foda ruim (pelo menos eu acho que deve ter sido uma merda) mas curiosa. Eu vi boa parte do pouco que rolou e confesso que hoje rende apenas boas risadas.

Não houve nenhum grito, nenhum berro nem nada mais empolgante. Pra dona pode ter sido divertido e curioso. O outro deve ter gostado demais.

Eu teria pensado em algumas atitudes diferentes... Contudo, só saberei de fato o que teria feito se algum dia a situação se inverter. Até lá, fica o relato do dia em que paguei de chofer de puta.

PS: Não é que os putos nem jogaram o envelope da camisinha fora? Só descobri lavando o carro, eu mesmo, ontem.

PS 2: Algum motorista se habilita?
Textos relacionados com suas imagens