domingo, 28 de fevereiro de 2010

Cu de bêbado não tem dono

PQP! Tenho que contar esse lance.


Sabe a expressão: "Cu de bêbado não tem dono"? Pois é. Vi o fato na vera!

Depois de sair de uma mini festinha, bem depois das 05h da manhã, e já próximo de casa, vi uma dona deitada na grana entre 2 pistas. Ela estava bem estranha e se remexendo.

Por não ter entendido a cena direito, fiz o retorno pra confirmar ou não o que eu acabara de ver. Na pista em sentido contrário, pude assistir em detalhes a bizarrice total.

Não era uma pessoa, mas duas! Um cara mandava ver na dona pra lá de trêbada! Achei graça. Só que o lance podia ser sério. Eu cheguei a cogitar em chamar a polícia.

Dei uma segunda volta pra ver se era realmente caso de polícia, afinal estupro é estupro, e fui bem devagar dessa vez. O quase ausente movimento de carros dado o horário ajudou.

Se a cena estava bizarra, agora é que vem o lado cômico ou trágico, conforme se vê. O comedor viu que eu estava avaliando o fato e foi logo se arrumando assustado. Vazou rapidinho.

E a dona que estava sendo encoxada (ou errabada, sabe-se lá), começou a se mexer e começou se levantar.

Só que na verdade, a tal cidadã era um cara.

Já me distanciando do local, pude ver o bebum se levantando, com a mão na bunda e aquela expressão do tipo: Caramba. Tô sentindo algo estranho... O que será que aconteceu?

Minha madrugada fechou em comédia geral. Menos pro infeliz cachaceiro.

Huahuahuahua.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Psico 39

Ois.

Não sei se é porque às vezes me bate um saudosismo, mas eu gosto de lembrar de coisas legais que o tempo não apaga.

Dia desses mesmo, eu estava lembrando de um conhecido que adora jeans com camiseta colada, tênis all-star e outras roupas que não saem nunca de moda.


Então meninas, vocês curtem a moda a lá "James Dean"?

a) Acho que não. Sou mais usar peças leves;
b) Não sei... pego o que vier pela frente;
c) Certamente. Roupa básica, sempre;
d) Roupas? Pra que isso?

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Pontos de dogging

Eae moçada... novidades?

Passei pra deixar registrado uma questão interessante que recebi.


Nos últimos dias troquei diversas mensagens sobre dogging.

Pra que não se lembra, escrevi sobre o assunto no texto Dogging e a Sam escreveu no Sexo com platéia.

O Fernando perguntou:
Gostaria de saber: Quais os pontos quentes de dogging no DF, para héteros, onde rola sexo entre casais? Se possível me informar aquele que vc considera o número 1 e que sejam seguros, pois já tive informações de assaltos em locais ermos...

Antes de mais nada, esclareço que o dogging - por ser uma atividade ao ar livre - tem, sim, certos riscos.

Considero o parque da cidade, um dos melhores pontos. Mas conforme o horário a segurança fica levemente comprometida. Nada grave, até pela quase constante movimentação nos estacionamentos, mas é sempre importante ficar de olho.

Alguns outros locais podem ser bem interessantes. Como sugestão de pontos mais seguros aponto os estacionamentos próximos ao autódromo, do ginásio Nilson Nelson e ainda no setor militar.

Inclusive, já tive uma foda com a Graça na frente do QG do Exército. Ela tinha um ex que fazia guarda por lá na época (devia ser reco, soldado; sei lá). A dona meio que queria ser flagrada no dia. E como comigo não tem tempo ruim... Mandei bala!

Agora lembrem-se. Segurança em 100% é quase impossível.

Retomando o raciocínio.

No parque da cidade, praticamente todos os estacionamentos tem pegação. Alguns hétero, outros homo; alguns mais discretos, outros nem tanto; alguns casais querendo troca, outros não. Tem mesmo que ficar de olho e procurar. Os 2 mais comuns para troca de casais héteros são o de frente do cemitério (o primeiro a esquerda entrando pela portaria principal do parque, após a polícia civil) e o subindo a 907/8 sul (colégio Elefante Branco). Não tem erro.

No autódromo também rola alguma atividade, tanto no Drive-in (cinema ao ar livre), quanto em seu estacionamento interno, que tem sua entrada virando à esquerda depois da entrada do Drive-in (fundos do autódromo).

Já no setor militar prefira qualquer estacionamento sem guarita próximo ao QG ou ao Hotel militar. Ahh! Evite ficar parado por mais de 45 min por lá. Lembre-se que a área possui rondas regularmente realizadas pela porra do Exército e não pela polícia comum. Ser abordado por milico de fuzil deve dar um cagaço escroto!!

Se vc tiver indo SOZINHO, tanto no autódromo quanto no parque suas chances de sucesso são poucas. Vale uma ida nesses locais, preferencialmente de dia, para reconhecimento e depois, no início da noite, dê um pulinho em cada um desses locais pra sentir o movimento.

Boa sorte a todos nos pegas.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Minhas últimas "festinhas"

Sei que estou atrasado com uns textos, mas tenho um bom motivo.


Com o carnaval e algumas viagens até tenho tido ótimas saídas.

Tenho saído com a Fernanda e a Betty com bastante frequência. Também tenho conversado com a Anna, mas ela está mais atarefada do que o normal pra nossas saídas.

O complicado é que minhas saídas estão meio repetitivas. As transas são até boas. Mas não tenho feito nada fora do comum. E é isso que tem segurado meus textos.

A boa notícia é que tenho algumas idéias e planos pras próximas semanas. E a temporada de caça está novamente aberta.

Excelente!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Psico 38

Carnaval passou e espero que vcs tenham curtido muito.

Aliás, como tudo foi lindo esse ano. Violência em baixa (o que é sempre bom), Governador na prisão, Bahia e Rio... Tudo maravilhoso!

Além dos ótimos desfiles. Com muito samba a Unidos da Tijuca deu show com aquela excelente comissão de frente, fazendo "mágica" e deixando o espetáculo ainda mais animado.


E falando em comissão de frente, o que mais chamou a atenção nesse carnaval?

a) Com certeza foram os desfiles das escolas de samba;
b) Com certeza foi a pegação nos trios de Salvador;
c) Com certeza foram os bailes de carnaval no Rio;
d) ...eu não tenho certeza de mais nada!

O portal terra, à sua própria maneira, também brinca com esse lance do psico. Confira!

De quem são esses peitos?
De quem é essa bunda?

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Oba, oba! Enfim, o carnaval.

Chegamos à época de sacanagem despudorada geral.


Pena que aqui em Brasília o carnaval não é assim uma brastemp! E como desisti de ir pra Bahia curtir o execelente carna de Salvador, tive que me virar por aqui mesmo.

Primeira baladinha, um pulinho no Chiquita Bacana pra tomar umas e ver movimento. Lá sempre tem gente bonita. E pra que combinação melhor que mulher gata + birita?

Da hora que cheguei fechei numa dona que me chamou a atenção. Não era tão gata assim, mas tinha um olhar que me fez ficar interessado. Até poderia ser um tiro no pé foda, mas... quem tá na chuva é pra se molhar.

Pedi uma tequila e fui na dona. Os famoso 3 beijinhos pra cá, conversinha genérica de praxe pra lá... E meio que do nada, demos uns pega lá mesmo. Pegas não... foi só uns beijos. Muito bom, mas a dona já estava de saída. Nem quis pedir fone nem nada. Já vai? Tchau.

Curioso foi que eu tinha falado com a Sam no início da tarde e até tinha comentado que estava precisando de uma dona nova.

A boa notícia é que o carnaval está apenas começando.

Boa caçada a todos!

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Nunca pensei em dar uns pegas num casamento

Olá pessoal!

Esses dias fui num casamento de uma amiga, sem nem ideia de pegar ninguém. Revi alguns amigos, vi meninos que se tornaram homens e bem interessantes.


Estranho que provoquei inveja em uma guria, que tá certo já não gostava de mim antes, mas fuzilou-me com o olhar por estar bem acompanhada.

O evento em si foi bem original como um casamento pode ser. Nem imaginava ficar com alguém, a festa pra mim estava maçante. Fiquei na mesa com uma das madrinhas do casamento.

Conversávamos coisas triviais até que um dos cerimonialistas da festa veio até a mesa pedir depoimentos dos padrinhos. Ele já havia lançado uns olhares pra mim e eu resolvi encarar.

Os padrinhos ficaram surpresos em ter que falar de improviso pros noivos e ele disse que improvisado era melhor e seria mais natural. Eu comentei que poderia ser ou não.

Ele sorriu pra mim. Uma noite sem pretensão estava começando a ficar interessante.

Levantei e fui dançar. Logo depois o Fred (o tal do cerimonial) estava dançando comigo.

Comentei que não sabia que ele podia se divertir no trabalho e ele deu de ombros. Falou que tava no maior tesão em mim. "Sério?"

E ainda disse mais que queria me comer todinha. E que se não fosse tão burro, teria uma camisinha disponível.

Comecei a punhetá-lo no meio da dança, lógico que disfarçadamente.

Falei pra ele então que camisinha não era problema. Sabe-se lá por que na minha bolsa de festa, tinha um monte. Coisas do Bruno que vive me dando uns toques.

O Fred então me puxou pra um lugar mais afastado, escuro até. Começamos uma dança totalmente grudados, e ele apalpou minha bunda com força, eu suspirei e partir para o primeiro beijo da festinha.

Dali para a foda foi rápido: Aumentamos o tesão do beijo, passamos a nos mordiscar, e Fred me arrastou até um sofá.

Quem já foi na mansão Mabel sabe que tem um sofá estrategicamente colocado. Eu sentei, Fred levantou a saia do meu vestido, puxou a calcinha e começou a chupar, gemia bastante abafado pelo som da música.

Tirei o pau pra fora e comecei a bater uma punheta pra ele. Fred ao invés da punheta, queria que eu chupasse. Ele ficou em pé, na minha frente e eu chupando aquela pica. Em seguida ele tirou o pau, botou a camisinha, se ajoelhou e meteu na minha buceta.

Embalada pelo som de um funk legalzinho eu dizia: goza meu puto, goza... mas o fato é que ele gozou, enchendo a camisinha de porra.

Depois voltei pra mesa e disse que tava acabada de tanto dançar!

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Psico 37

Dizem que saber escolher a roupa adequada para cada uma ocasião é uma importante. Mais do que isso, estar bem trajado para qualquer situação é uma arte.


Então, diz ae. A dona é uma artista ou não é?

a) Não. De jeito nenhum.
b) Hum... Parece que ela mal está vestida.
c) Sim, Mas qual é mesmo essa tal ocasião?
d) Com certeza. Artista nota 10!

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Sexta movimentada, mas foi só

Aê!

Sexta até que foi interessante, mas acabei sem nada mais animado.


Meu objetivo era beber e relaxar. Se rolasse mais alguma coisa, ótimo!

Sai do trabalho, fui em casa, tomei um banho e me arrumei pra estar pronto prum fight. Usei o mesmo raciocínio da camisinha. Melhor estar preparado e não precisar usar do que precisar e não ter.

Desci pro Franguito, em Taguatinga. Lugar que tanto gosto. Pedi uma bohêmia pra começar. A mulherada até que compareceu, mas nada me interessou. Ou estavam acompanhadas ou não eram do meu agrado. Fechei a conta e decidi dar um rolé no Sudoka. Ops! Pra quem não é de Brasília, Sudoka significa Sudoeste.

Com muito custo pra estacionar, porque a quadra dos butecos estava lotada, voltei a pedir uma cerveja na Fausto e Manoel. Aqui o nível estava melhor.

Passei a dar umas olhadas pruma dona muito atraente. Estava ela com mais uma outra dona. Amiga, namorada... sei lá. Elas bebiam, fumavam e conversam num tom muito agradável. Numa troca de olhares, passamos a "conversar".

Algum tempo depois e a dona que eu estava de olho foi ao banheiro... sozinha! Opa. Pra que convite mais aberto que esse? Também fui tirar a água do joelho mesmo sem precisar.

Na saída quase nos desencontramos, mas ainda deu. Papo vai, papo vem e a Melissa estava comemorando. Iria ficar noiva no dia seguinte e ela e a melhor amiga estava curtindo sua última noite de curtição.

Papinho entre amigas? Na "última" noite? Não era possível. Uma dona gata jogando a oportunidade fora em nome da "felicidade eterna". Até parece.

Enfim. Aguentei esse papinho, resolvi vazar. Afinal, 2 butecos, 7 cervejas e 1 tequila depois já tava bom. Bebi um pouco e relaxei, que era o objetivo pra noite.

Pena que a tal dona, que cheirava bem como pouquíssimas, numa estava no clima de despedida.

Paciência... Não se pode ganhar todas.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Psico 36

Ah se não fosse pela insistência da Sam...

Tem gente que sente muito calor e usa pouca - ou nenhuma - roupa pra dormir. Como o cidadão ai.


Já que o cara tá com calorzinho, o que ele deveria usar pra se refrescar?

a) Abre a janela e pronto!
b) Ventilador no teto;
c) Ar-condicionado;
d) Sei lá... Joga gelo em cima do cara!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Dia de pagamento

Com o tempo e grana bem curtos, as novidades são poucas. Mas nessa sexta...


Voltei a escrever novamente no Mundo H!.

Dessa vez abordei a Leitura corporal. Inclusive eu tinha começado esse papo com a Elisa mas essa conversa foi interrompida pela metade.

Eu fechei o texto no final da tarde, mas como o esquema lá é de 1 texto por dia, e hoje já rolou um outro, vou deixar pra publicar de fato às 00:15h! ...até pensei em postar esse texto primeiramente aqui. Mas eu o escrevi originalmente pra eles, dai o conteúdo tem bem menos putaria que o meu usual.

Falei com a Sam hoje. Até iríamos sair pra conversar, mas o lance acabou furando. Uma pena.

Já a Anna parece querer voltar à ativa. Aliás... Caralho. Pra gente cair escroto na putaria tá faltando muito pouco. Acho que o tesão tá acumulado demais. Pra nós dois.

Tenho saído com a Fernanda e até escrito aqui sobre nossa pegação. Mas essa semana tá foda pra mim. Minha grana acabou muito cedo esse mês. Nisso, eu meio que sumi geral.

Contudo, meu tempo de "meditação" acaba amanhã. Na sexta vou arrepiar por ai, nem que seja pra beber sozinho. Vamos ver se acho alguma sacanagem descente na cidade. Dia do pagamento é uma beleza!

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Mandando ver na escada

Há muito tempo, prometi pra Anna que iria escrever sobre um lance nosso que rolou conosco. Enfim, hoje vou pagar essa dívida.


Foi uma parada ótima, que rolou faz tempo... Aliás, ela me ajudou muito a escrever, porque não lembro bem dos detalhes. Mas a gente não esquece o que é realmente importante!

Para quem acompanha o blog, este relato é um pouco diferente. Talvez um tanto intimo ou até meio tímido... Mas vale demais ser contado aqui.

“Sexo é mais gostoso com um amigo do que com um inimigo”...

Eu e a Anna amigos acima de tudo, mesmo rolando algumas brincadeirinhas mais audaciosas - por exemplo, uma chupada bem gostosa num dia destes enquanto eu dirigia - e momentos bem eróticos entre a gente.

Não temos nenhum compromisso ou obrigação de que a sacanagem role quando estamos perto. E talvez, justamente por isso, seja tão intenso quando acontece.

Enfim, foi isto que aconteceu quando combinamos de ir juntos à uma festa de uma conhecida. Acertamos que não rolaria nada entre a gente lá, e que cada um ia caçar à vontade. Ótimo!

Ela passou pra me buscar em casa e eu ainda estava me arrumando. Chamei pra entrar e ela aproveitou para me mostrar sua roupa e perguntar minha opinião. Ela vestia uma saia, preta, curta com uma sandália de salto e uma blusinha um pouco mais justa (não muito). Achei muitíssimo interessante a propósito. E, pra não perder a chance, passei a mão e senti o caimento de sua roupa... E rolou alguns amassos bem de leve. Só pra esquentar.

Fomos pra tal festa, que estava bombando. A Anna encontrou alguns "amigos", e até beijou um carinha com o qual ela já tinha saído poucos dias antes. Só que, pelo que sei, esse ai era muito devagar pro gosto dela.

Enquanto isso, eu ia me divertindo com uma amiga dela, que, por acaso, estava aniversariando no dia. E eu acabei como o presentinho dela!

Só que de fato, apesar de ter rolado uns beijos, foi só isso. Nada aconteceu na festa de mais interessante, por assim dizer. Fim de festa e lá pelas 7:30 da manhã, a Anna foi me deixar em casa. Na época moravámos pertinho, o que ajudava.

Na volta, conversamos sobre o que havia acontecido com cada um, e o resultado da caçada pra ambos era quase um 0x0. E considerando que nós realmente estávamos com muita vontade de transar...

Chegando na minha casa, e entre um papinho e outro, trocamos um olhar foda. Aquele que não precisa dizer mais nada. Muito sacana mesmo. E ela ainda manda um: Porra! Eu estava louca pra dar! Ah não! Depois de uma direta desse tamanho...

Não pensei duas vezes. Comecei a beijá-la, mordiscando, lambendo... Tirei sua blusa mas não o sutiã, agarrando e mordendo seus seios. Ela, totalmente excitada, abriu a minha calça, se abaixou e passou a me chupar, já totalmente teso.

Nós estávamos na sala e minha intenção era levá-la ao meu quarto no andar de cima. Só que nossa pegação foi imediata. Andávamos e tirávamos um pouco de roupa. Fomos subindo as escadas, e já nos roçando, beijando, chupando...

Ainda nas escadas, tirei sua calcinha, eu a bolinava enquanto a beijava. A coloquei de costas pra mim para que ela se apoiasse com as mãos nos degraus e então enfiei o cacete, a segurando pela cintura, puxando pelo cabelo, dando estocadas... Meio clichê, mas nossa! Foi delicioso.

Ainda mandamos ver por um tempo, mas o cansaço dos agitos de uma noite virada não nos permitia muito.

Com carinho nos despedimos. Até porque no mesmo dia ainda tínhamos outra programação pra mais tarde. Oh época boa de saídas loucas, desvairadas e regradas a muita putaria!

Até hoje nos lembramos desse dia e vale a dica pra salvar uma noite, afinal... Amigos são pra essa coisas... Também!
Textos relacionados com suas imagens